Letras

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

I had no time to hate


I had no time to hate
Poem XXII de «Complete poems» de Emily Dickinson (1830-1886)
música de Pedro Rodrigues e coro da Achada

I had no time to hate, because
The grave would hinder me,
And life was not so ample I
Could finish enmity.

Nor had I time to love; but since
Some industry must be,
The little toil of love, I thought,
Was large enough for me.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Não tenho medo, sabes

Não tenho medo, sabes
cânone de Pedro Rodrigues
texto: excerto da fala da Julieta de «Antes que a noite venha» de Eduarda Dionísio
 

Não tenho medo, sabes.
Não tenho medo, sabes.
Não afastes a noite de mim quando me olhares.
Hoje sou dona de mim
e daqueles em quem eu tocar.
Não quero perder a memória de nenhum gesto.
Tens tu de me ajudar.

Unadikum

Unadikum
Ahmad Kaabour (1975)

Refrão:
Unadikum
ashuddu ‘ala eyadikum
wa ebussu'l'arda 
tahte ne‘alikum
wa equlu efdikum

wa uhdikum deya ‘ayneyy
wa dif’el qalbi a‘tikum (bis)

Fâ mâ’sati’lleti ahya
Nasibi min ma’sikum
wa uhdikum deya ‘ayneyy
wa dif’el qalbi a‘tikum
Fâ mâ’sati’lleti ahya
Nasibi min ma’sikum

Refrão

Âna ma huntu fi watani
wa la sagghartu ektafi (bis)
waqaftu bi wachi’zullamî
Yetimen ‘ariyen hafi
Âna ma huntu fi watani
wa la sagghartu ektafi
waqaftu bi wachi’zullamî
Yetimen ‘ariyen hafi

Refrão

Hameltu demi ‘ala kâffi
wa ma nakkestu a‘lami (bis)
wa suntu’l‘oshbe’l akhdara
Fawqa quburi eslafi
Hameltu demi ‘ala kâffi
wa ma nakkestu a‘lami
wa suntu’l‘oshbe’l akhdara
Fawqa quburi eslafi

Refrão




tradução inglesa:
UNADIKUM (I CALL ON YOU )

I call on you
I clasp your hands
I kiss the ground under your feet
And I say: I offer my life for yours
I give you the light of my eyes
as a present
and the warmth of my heart
The tragedy I live
is that I share your tragedies
I call on you
I clasp your hands
I was not humiliated in my homeland
Nor was I diminished
I stood up to my oppressors
orphaned, nude, and barefoot
I carried my blood in my palm
I never lowered my flags
I guarded the green grass
over my ancestor’s graves
I call on you
I clasp your hands

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Pois, é a vida


Pois, é a vida
Sérgio Godinho (do álbum Salão de Festas, 1984)

Pois, é a vida
pois, pois, pois é, pá
não há melhor
é o melhor que há
deseja que embrulhe
ou é pra viver já?
Deseja que embrulhe
ou é pra
viver já

Botaram tanta fumaça

Botaram tanta fumaça
Tom Zé (1973)

Botaram tanto lixo, botaram tanta fumaça
Botaram tanto lixo
por baixo da consciência da cidade,
que a cidade
tá, tá tá tá tá
com a consciência podre.

Botaram tanto lixo, botaram tanta fumaça
Botaram tanta fumaça
por cima dos olhos dessa cidade,
que essa cidade
tá, tá tá tá tá
está com os olhos ardendo.
 
Botaram tanto lixo, botaram tanta fumaça
Botaram tanto metrô e minhocão
nos ombros da cidade,
que a cidade
tá, tá tá tá ta.
 
Está cansada,
sufocada,
está doente,
tá gemendo
de dor de cabeça,
de tuberculose,
tá com o pé doendo,
está de bronquite,
de laringite,
de hepatite,
de faringite,
de sinusite,
está de meningite.
Está, se...
ta tá tá tá tá
com a consciência podre.
 
Botaram tanto lixo, botaram tanta fumaça
Botaram tanta preocupação
nos miolos da cidade
que a cidade
tá, tá tá tá tá
está de cuca quente.

A cidade e as merdas


A cidade e as merdas
música de Torna a Surriento
letra de Pedro Rodrigues


1
Vai-se a cidade entregando
Desocupam-se os lugares
Não é para tu morares
É só pró lucro lucrar

2
Mas como é que a gente vive
Sem cantinas sociais
Creches, casas, hospitais
E jardins pra descansar?

3
Mas como é que a gente vive
Se o que manda é o dinheiro
A penar o mês inteiro
Para a renda se pagar...

4
Ó cidade, tu
Tens de te revoltar
Ou vou-me embora...
Vou a...campar!


Erguem-se muros

Erguem-se muros
Música: Adriano Correia de Oliveira
(gravações no EP Menina dos Olhos Tristes, 1969 e no LP Adriano Correia de Oliveira, 1973 )
Letra: António Ferreira Guedes (1964)


Erguem-se muros em volta
do corpo quando nos damos
amor semeia a revolta
que nesse instante calamos

Semeia a revolta e o dia
cobrir-se-á de navios (bis)
há que fazer-nos ao mar
antes que sequem os rios

Secos os rios a noite
tem os caminhos fechados (bis)
Há que fazer-nos ao mar
ou ficaremos cercados

Amor semeia a revolta
antes que sequem os rios...